Ir para o conteúdo principal
Memória da Educação Paulista » Exposições » Encerradas


Exposições Encerradas


BIBLIOTECA INFANTIL CAETANO DE CAMPOS


UM OLHAR PARA A EDUCAÇÃO PAULISTA

(1936-1977)

 

 

A Escola Caetano de Campos, também conhecida como Escola Normal da Praça, atuou no edifício sede da Secretaria da Educação a partir de 1894 até 1977. Durante esse período uma série de práticas pedagógicas relevantes foram desenvolvidas na Escola. Entre elas, destacamos a criação da Biblioteca Infantil que funcionou no edifício de 1936 até 1977.

Procurando valorizar e preservar a memória da educação paulista, o Núcleo de Memória e Acervo Histórico (NUMAH) apresenta a exposição dedicada especialmente à Biblioteca Infantil e suas práticas para a promoção da leitura, escrita e participação dos alunos na produção do “Jornal Nosso Esfôrço”.

 A exposição é composta por mobiliário, acervo iconográfico e tridimensional originais pertencentes ao Acervo Histórico da Escola Caetano de Campos (AHECC), tais como: Exemplares de jornais, livros e cartilhas e objetos de uso cotidiano. Para ver mais fotos clique aqui.


Museu Pedagógico: Um olhar para a educação paulista (1963-1977)


Anexo à Biblioteca Infantil funcionava o Museu Pedagógico, outra prática significativa da Escola Caetano de Campos, que tinha como finalidade cultuar personalidades do magistério nacional e expor itens históricos relativos às práticas educativas no ensino primário. O seu acervo foi composto com objetos da própria escola e com doações da comunidade escolar.

A exposição é composta por mobiliário, acervo iconográfico e tridimensional originais pertencentes ao Acervo Histórico da Escola Caetano de Campos (AHECC), tais como: Exemplares de jornais, livros e cartilhas e objetos de uso cotidiano. Para ver mais fotos clique aqui.

Realização: Núcleo de Memória e Acervo Histórico – NUMAH/CRE MC/ EFAPE/SEDUC

Curadoria e Pesquisa: Felipe de Andrade Sanches | Maria Cristina Noguerol Catalan | Maristela Cabral de Lira | Thayne Nicolau dos Santos

Montagem: Equipe NUMAH.

 


 

O Ensino de Ciências na Escola Caetano de Campos


Um recorte sobre os objetos de ensino adquiridos a partir do século XIX

 

 

 


O ensino de ciências na Escola Caetano de Campos foi estruturado a partir da década de 1890, em consonância com os princípios positivista, materialista e darwinista, caracterizando o empenho republicano de modernização da educação paulista. Assim, foram constituídos os Gabinetes de Physica, Laboratório de Chimica e Museu de História Natural. Para tanto, uma quantidade de objetos voltados para o Ensino de Ciências foi adquirida pela escola.

 

A exposição sobre o Ensino de Ciências, elaborada pelo NUMAH em parceria com os Professores Doutores da Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP, é composta pela seleção desses objetos de ensino e conta com modelos de corpo humano, microscópio, vidraria do laboratório de química, animais fixados, dentre outros itens. Para ver mais fotos clique aqui.

 

A exposição está aberta para todos os públicos, de segunda à sexta, das 9h às 16h30 no prédio da Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação (EFAPE). Para grupos é preciso realizar o agendamento através do e-mail nucleodememoriacre@educacao.sp.gov.br.

 

Realização: Núcleo de Memória e Acervo Histórico – NUMAH/CRE MC/ EFAPE/SEDUC

Curadoria e Pesquisa: Felipe de Andrade Sanches | Maria Cristina Noguerol Catalan | Maristela Cabral de Lira | Prof° Drº Reginaldo Alberto Meloni | Profº Drº Renato Barboza | Thayne Nicolau dos Santos

Montagem: Equipe NUMAH


BIBLIOTECA INFANTIL CAETANO DE CAMPOS

UM OLHAR PARA A EDUCAÇÃO PAULISTA

 1936 – 1966

 

LOCAL:  Casa Caetano de Campos

Esta exposição é dedicada à Biblioteca Infantil Caetano de Campos da Escola Caetano de Campos no período de 1936-1966.

Os anos 1930 disseminaram as bibliotecas infantis públicas e escolares como recurso para promover a leitura. Em 1932 é redigido o “Manifesto aos Pioneiros da Educação” por Fernando Azevedo e assinado por vários educadores e intelectuais, entre os quais Anísio Teixeira, Lourenço Filho, Cecília Meireles, Sampaio Dória e Júlio de Mesquita Filho. 

Em 1936, sob os preceitos desse manifesto escolanovista, calcado na proposta do ensino ativo sob a gestão do diretor da Escola Normal,  Fernando Azevedo, é reaberta a Biblioteca Infantil Caetano de Campos. Essa foi feita proposta pela Diretora da Escola Primária, Dª Carolina Ribeiro, sob a coordenação exemplar da professora – bibliotecária, Dª Iracema Marques da Silveira.

Nessa Biblioteca era incentivada a formação dos “alunos – bibliotecários”, “alunos – redatores”, “pequenos jornalistas” e a publicação do jornal “NOSSO ESFORÇO”, além da promoção de  várias atividades na biblioteca com intensa participação dos alunos.

Faz parte da Exposição o mobiliário da antiga biblioteca infantil, acervo iconográfico e tridimensional, tais como: jornal Nosso Esforço, slides de histórias infantis, livros de leitura e cartilhas, objetos da brinquedoteca, dossiês didáticos, vitrines com objetos do museu pedagógico e uma interessante coleção de filatelia e numismática. 

Para ver mais imagens, clique aqui.

Curadoria: Maria Cristina Noguerol Catalan | Maristela Cabral de Lira | Marlúcia Naves Lemos
Pesquisa: Maria Cristina Noguerol Catalan | Maristela Cabral de Lira | Marlúcia Naves Lemos | Mirela Geiger
Montagem: Equipe do Centro de Memória e Acervo Histórico

 


 

A ESCOLA PÚBLICA E O SABER

 

 



Período: 2002- 2015

Local: CRE Mario Covas


A exposição A Escola Pública e o Saber: Trajetória de uma Relação pretende apresentar um panorama da história da educação escolar paulista, com ênfase nas práticas de leitura. Faz uma incursão de quase duzentos anos nas histórias da Educação e do Brasil e ilustra o processo de formação e desenvolvimento da rede pública estadual de ensino

Destaca marcos políticos, sociais, econômicos e culturais determinantes das múltiplas configurações e tendências assumidas pelas escolas públicas, ao longo da trajetória de suas práticas pedagógicas expressas, materialmente, por meio dos mobiliários, livros, objetos, arquitetura e atores. 

Esta exposição foi  primeira ação de um conjunto de outras ações que integraram o  programa do Núcleo de Memória da Educação Paulista, constituído com o objetivo de preservar a memória e o patrimônio histórico das escolas públicas estaduais paulistas.


 

PATRIMÔNIO ESCOLAR, SUAS HISTÓRIAS E MEMÓRIAS


Período: 2015

Local: EFAP - Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Professores “Paulo Renato Costa Souza”

A Exposição propõe uma reflexão sobre a memória escolar, através de um recorte histórico dos uniformes utilizados na Escola Caetano de Campos e carteiras adotadas desde o fim do século XIX até os anos 1970, assim como o mobiliário dos dias atuais, tendo como contraponto a industrialização em larga escala.  

Propõe também uma interação com seu público, a medida que observam as fotos do período escolar, os uniformes, as carteiras e as fotos antigas da Escola Caetano de Campos. Com o objetivo de sensibilizar, promover o reconhecimento e pertencimento ao espaço expositivo, os visitantes foram convidados a sentar em uma das carteiras antigas e deixar um pedacinho de suas “histórias e memórias”.

Com essa exposição esperamos contribuir para preservação e divulgação do Patrimônio Histórico Escolar e despertar em cada um a responsabilidade de manter viva a História da Educação Paulista.

A pesquisa e seleção das carteiras antigas e uniformes são resultados do trabalho realizado pela arquiteta e ex-aluna da escola Caetano de Campos, Patricia Golombeck, para a Exposição “Ramos de Azevedo e a Escola Caetano de Campos”, e a elaboração do livro “Caetano de Campos a Escola que mudou o Brasil”.

Curadoria: Equipe do CEMAH - Centro de Memória e Acervo Histórico/CRE Mario Covas/EFAP /SEE


 

CAETANO DE CAMPOS: ARTICULADOR E REALIZADOR DA REFORMA DO ENSINO PAULISTA 

NO INÍCIO DA REPÚBLICA

Local: 2016

Espaço: Subsolo da Casa Caetano de Campos (Secretaria da Educação do Estado de São Paulo)

O tema da exposição remete ao fluminense, de São João da Barra, nascido em 17 de maio de 1844.

Caetano de Campos, médico que atuou na Guerra do Paraguai e na Santa Casa de São Paulo, foi professor (especialmente na área de biologia) e diretor da Escola Normal de São Paulo.

É um nome considerado na história da educação pois foi um dos responsáveis em executar a reforma no ensino normal paulista após a Proclamação da República. Implantou e concretizou as ideias da Reforma Rangel Pestana em relação à instrução pública com a perspectiva dos republicanos.

Quando assume a direção do que seria uma das maiores instituições educacionais do país, a Escola Normal de São Paulo, dedicou-se a construir uma sede própria, mais adequada para representar os ideais republicanos. Lançou a pedra fundamental, porém não conseguiu ver a obra: o prédio idealizado pelo arquiteto Ramos de Azevedo foi inaugurado em 1894.

A reforma de 1890 converteu as escolas preliminares anexas em escolas-modelo. Essas foram concebidas nos moldes de um ensino primário de longa duração, integral, graduado, e conforme as ideias de Pestalozzi acerca dos processos intuitivos de ensino.

Com a sua morte (12/9/1891), aos 47 anos de idade, o jornal “O Estado de São Paulo” referiu-se a ele como “médico desvelado pelos seus doentes, cidadão exemplar, patriota modelo, republicano convicto” e, por último, “fanático da instrução popular, um insubstituível diretor de nossa Escola Normal, que ele reformou de alto a baixo, em dois anos de trabalho, de acordo com os métodos da pedagogia, mais moderna, mais adiantada, mais racional e mais científica”.

Também ajuda a destacar o nome “Caetano de Campos” pois seu nome tornou-se, após a sua morte, como patrono da Escola-Modelo Preliminar “Antonio Caetano de Campos” (7 a 11 anos). Na década de 1930 a Escola Normal de São Paulo torna-se Instituto de Educação “Caetano de Campos”.

A pedido dos professores complementaristas da turma de 1904, em mensagem enviada ao poder público, o Jardim da Infância, o Curso Primário, o Curso Ginasial e a Escola Normal receberam o nome de Escola “Caetano de Campos”, de acordo com o decreto nº 10.776, de 12 de dezembro de 1939.

Na exposição “Caetano de Campos: Articulador e realizador da reforma do ensino paulista no início da República” vamos destacar indícios que levaram os valores da instrução pública no início da República serem transferidos diretamente à imagem de Antônio Caetano de Campos e da história da Escola Caetano de Campos.

Curadoria: Maria Cristina Noguerol Catalan | Mirela Geiger

Pesquisa: Diógenes Nicolau Lawand, Felipe Sanches, Maria Cristina Noguerol Catalan, Mirela Geiger, Rafael Balseiro Zin, Thayne Santos


 

CARLOTA PEREIRA DE QUEIROZ: Uma vida dedicada aos Direitos das Mulheres no Brasil

Período: 2016

Local: Subsolo da Casa Caetano de Campos (Secretaria da Educação do Estado de São Paulo)

Nesse ano em que se comemoram os 125 anos de nascimento da Dra. Carlota Pereira de Queiroz (1892-1982), o Centro de Memória e Acervo Histórico da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, traz a público a presente exposição.  

Considerada a primeira mulher a ocupar o cargo de Deputada Federal no Brasil, eleita pelo estado de São Paulo, em 1933, ela foi, também, a única mulher a assinar a Constituição de 1934, ao lado dos outros 252 constituintes.

Nascida em São Paulo, em 13 de fevereiro de 1892, Carlota Pereira de Queiroz foi aluna do Curso Secundário da antiga Escola Normal da Capital, atual sede da Secretaria da Educação, tendo concluído os estudos em novembro de 1909. Anos mais tarde, em 1926, formou-se em medicina, atividade que exerceu em paralelo com a política durante toda a vida. 

Sua projeção no legislativo paulista surgiu durante a Revolução Constitucionalista de 1932, quando ela organizou um grupo de 700 mulheres, com o apoio da Cruz Vermelha, para dar assistência aos feridos em batalha. Eleita membro da Academia Nacional de Medicina, em 1942, fundou, oito anos depois, a Academia Brasileira de Mulheres Médicas, da qual foi presidente. Faleceu em 17 de abril de 1982, aos 90 anos de idade.

Nessa exposição, portanto, o que se pretende é resgatar a participação política das mulheres no Brasil rendendo homenagens a essa importante personalidade da história paulista, destacando seus feitos e realizações, a partir da exibição de materiais iconográficos e demais documentos que nos ajudam a narrar sua trajetória.

Curadoria e pesquisa: Diógenes Nicolau Lawand, Felipe de Andrade Sanches e Rafael Balseiro Zin


 


 

“MEU ABC”: Livro lançado por Érico Veríssimo em 1936


Período: 2017

Local: EFAP - Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Professores “Paulo Renato Costa Souza”

 Esta exposição propõe a apresentação e divulgação do livro “Meu ABC”, escrito por Érico Veríssimo usando o pseudônimo de Nanquinote (boneco feito de nanquim).

“Meu ABC” é um livro que reúne pequenas histórias relacionadas a cada uma das letras do alfabeto, fazendo parte da coleção “Biblioteca de Nanquinote”.

É um livro considerado raríssimo por se tratar de uma publicação com apenas uma edição de 27,5 mil cópias, inicialmente com original apenas em Porto Alegre. Em 2016, durante o processamento técnico do Acervo Histórico da Escola Caetano de Campos, foram encontrados três exemplares que já estão disponíveis para pesquisadores no Centro de Memória e Acervo Histórico-CEMAH/CRE Mario Covas/EFAP, em São Paulo.

Com essa exposição, esperamos contribuir para a divulgação do Acervo Histórico da Escola Caetano de Campos e, quem sabe, despertar em cada visitante a curiosidade para identificar referências importantes no Acervo de suas escolas.

 

Curadoria e pesquisa: Maria Cristina Noguerol Catalan |Maristela Cabral de Lira | Marlúcia Naves Lemos 



 

Jornal Nosso Esforço



Período: 2011

Local: CRE Mario Covas