Ir para o conteúdo principal
porno mat i sin xxx odia in adult rape videos
agri escort elazig escort
escort alanya
ankara escort
bonus veren siteler
makale ozgunluk testi
huluhub.com
Luxury replica watches
www.copeland.club
old sex women boy to boy xxx nude

Especiais

jun 9

Written by: admespeciais
09/06/2014 10:58  RssIcon

José Macia nasceu no dia 25 de fevereiro de 1935 e fez história no Santos F.C. Em 15 anos (de 1954 a 1969), foi o segundo maior artilheiro – perdendo apenas para Pelé. Ali, o ponta-esquerda marcou 405 gols em 750 partidas. Além de "Pepe", o jogador também ganhou o apelido "Canhão da Vila", graças ao seu forte chute de esquerda.

Pela Seleção Brasileira, ele ganhou duas Copas do Mundo – em 1958 e 1962, mas não jogou nenhuma partida do mundial, já que nas duas ocasiões se machucou.

A carreira como treinador começou em 1969 nas categorias de base do Santos. Atlético Paraense, Ponte Preta e Atlético Mineiro foram alguns dos times comandados por ele.

Pepe é, sem dúvida, a personalidade que conquistou mais títulos no futebol mundial.

Leia a entrevista com o jogador Pepe:

Você teve um professor inesquecível?
Sim! Na faculdade de Educação Física, eu tive um professor chamado Godofredo Casati. Ele era exigente, bravo, mas eu o respeitava muito. Ele, inclusive, chegou a trabalhar como preparador físico da equipe de futebol do Santos.

De que maneira o esporte praticado na escola pode ser um estímulo para uma criança seguir a carreira de atleta?
Ser futebolista é um dom. Quando eu era garotinho, já chutava com o pé esquerdo. Mas complementar o talento com a Educação Física, por exemplo, pode fazer um atleta perfeito.

A escola pode ajudar a criar atletas mais disciplinados?
Sim, porque sendo um bom estudante e complementando com a Educação Física, só valoriza. Tanto que eu e outros jogadores, como o Pelé, o Formiga e o Clodoaldo, fizemos faculdade de Educação Física na FEFIS, em Santos. Nós temos diploma de professor.

Qual é a sua principal lembrança da Copa de 58?
A minha principal lembrança é do jogo final. O Brasil disputou com a Suécia e fomos vencedores. Eu não pude jogar, mas acompanhei todo o campeonato e foi uma grande festa! Fomos recebidos pelo rei da Suécia e o cumprimentamos. Demos a volta olímpica e fomos ovacionados pela torcida. O povo sueco nos aplaudiu de pé, o que foi uma surpresa!

Qual é o seu ídolo no futebol?
É engraçado, porque mesmo que eu tenha jogado no Santos F.C. e tenha sido técnico do time também, o meu ídolo era o Canhotinho, meia-esquerda do Palmeiras. Em São Vicente, o meu apelido era Canhotinho. Quando era guri, eu o admirava e tentava jogar como ele.

Qual é o seu palpite para os jogos do Brasil na Copa?
Eu estou otimista, mas com um pé na frente e outro atrás. A nossa seleção não tem jogado grandes partidas e temos concorrentes fortes, como a Itália e a Alemanha. Mas com o incentivo da massa brasileira, acredito que não vai acontecer como na tragédia da Copa de 1950, quando perdemos em casa.


Seleção brasileira campeã mundial da Copa de 1958

« Mais entrevistas

Tags:
Categories:
Location: Blogs Parent Separator Especiais

Busca em Especiais: