Ir para o conteúdo principal

Radar Cultural - Capital e Grande São Paulo

ago 20

Written by: admradar
20/08/2015 14:13  RssIcon

O típico queijo mineiro é resultado de um cuidadoso processo de produção, que envolve a ordenha, a filtragem, a coagulação, a quebra da coalhada e muito mais. Você sabia que esse modo artesanal de se fazer o alimento é considerado um patrimônio cultural imaterial brasileiro?

Isso significa, entre outras questões, que a famosa receita está protegida por lei, não podendo ser descaracterizada. Além dela, a Festa do Divino Espírito Santo (Goiás) e a dança fandango caiçara (São Paulo) também foram registradas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). E a lista não para por aí!

FICA A DICA
Com direção de Helvécio Ratton, o documentário “O Mineiro e o Queijo” conta como a técnica de produção artesanal de queijo chegou a Minas no século XVIII, por portugueses em busca de ouro. Assista ao trailer. Clique aqui e conheça também a definição de patrimônio imaterial, bem como os decretos que envolvem o tema.

Até 20 de setembro, as manifestações artísticas de grande valor para as suas comunidades estão reunidas na exposição “Patrimônio Imaterial Brasileiro – A Celebração Viva da Cultura dos Povos”, que acontece na Caixa Cultural São Paulo.

» Leia entrevista com TT Catalão, diretor do Departamento do Patrimônio Imaterial (DPI), do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Por meio de fotografias e elementos audiovisuais, a mostra apresenta 37 patrimônios divididos em quatro categorias registradas pelo Iphan: Saberes, Lugares, Celebrações e Formas de Expressão. O objetivo é fazer com que o público vivencie espaços, imagens e sons que representam recortes de todo o Brasil.

Essa é a oportunidade de conhecer o Jongo do Sudeste, uma forma de expressão afro-brasileira que integra percussão de tambores, dança coletiva e práticas de magia; ver o barro usado para fazer a panela da moqueca; e entender a confecção das bonecas Karajás, cuja origem é indígena. Indumentárias baianas, violas de cocho e máscaras da Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis também compõem a exposição. Além de coleções particulares, os objetos pertencem aos acervos do Museu do Índio, do Museu Círio e da Secretaria de Cultura do Estado do Maranhão.

A entrada é gratuita e as visitas vão de terça a domingo, das 9h às 19h.

Para mais informações, acesse aqui.

SAIBA MAIS
Cinco patrimônios brasileiros são reconhecidos pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. São eles: o Samba de Roda no Recôncavo Baiano; a Arte Kusiwa – Pintura Corporal e Arte Gráfica Wajãpi; o Frevo: expressão artística do Carnaval de Recife; o Círio de Nossa Senhora de Nazaré; e a Roda de Capoeira.

Tags:
Categories:
Location: Blogs Parent Separator Radar EFAP

Busca no Radar Cultural - Capital: