Ir para o conteúdo principal

Radar Cultural - Capital e Grande São Paulo

fev 13

Written by: admradar
13/02/2014 15:46  RssIcon

Algumas delas são centenárias e suas paredes contam histórias de um Brasil ainda engatinhando na democratização da Educação. As 126 escolas públicas paulistas construídas entre 1890 e 1930 na capital e no interior se tornaram tema da exposição "Patrimônio Paulista: A Caminho do Oeste e Patrimônio Escolar", no Museu da Casa Brasileira.

FICA A DICA
O CRE Mario Covas é um dos órgãos responsáveis por manter viva a memória da Educação. No site há uma lista das 150 escolas estaduais mais antigas de São Paulo e uma linha do tempo que conta a história da educação pública no País.

O material faz parte da pesquisa que serviu para a elaboração de duas obras com o mesmo nome. Os livros são resultado de uma parceria entre o Museu da Casa Brasileira e o Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat). “A publicação registra cerca de 30 anos de memória escolar”, conta a autora e socióloga Margarida Cintra Gordinho.

As escolas, hoje tombadas e consideradas patrimônios culturais do Estado de São Paulo, surgiram nos primeiros anos de República no Brasil, quando a Constituição de 1890 separou a Igreja do Estado e, consequentemente, da Educação. “O ensino então existente era restrito e mais frequentemente religioso. A separação da Igreja do Estado foi um fato definitivo para a democratização do ensino”, garante Margarida. Antes disso, boa parte delas era mantida e cuidada pela Igreja Católica.

Até o início da Era Vargas, os republicanos iniciaram uma organização do sistema escolar, visando à extinção do analfabetismo e a nacionalização da educação popular. Investiu-se na construção de escolas grandiosas, que funcionam até hoje.

Mais informações pelo site do Museu da Casa Brasileira.

SAIBA MAIS
A escola pública mais antiga do Estado de São Paulo é o Seminário das Educandas, também conhecido como Seminário da Glória, no bairro do Ipiranga. Criada em janeiro de 1825, era mantida pelo Império. Hoje, a escola ainda existe, mas mudou de nome para Escola Estadual Seminário Nossa Senhora da Glória.

Tags:
Categories:
Location: Blogs Parent Separator Radar EFAP

Busca no Radar Cultural - Capital: