Ir para o conteúdo principal

Radar Cultural - Interior

dez 11

Written by: admradarint
11/12/2014 15:19 

Quando naturalistas europeus conheceram a Serra do Japi, entre os municípios de Jundiaí, Cabreúva, Pirapora do Bom Jesus e Cajamar, batizaram-na de “Castelo de Águas”, tamanha a quantidade de córregos e quedas d’água do lugar. Nos seus 352 km² de extensão, é possível encontrar a biodiversidade característica de dois tipos da Mata Atlântica: a do interior e a da Serra do Mar.

O projeto “Nossa Serra”, da Prefeitura de Jundiaí, quer promover a educação ambiental e organiza visitas guiadas para escolas e para o público em geral.

FICA A DICA
Para adentrar a mata, é preciso tomar alguns cuidados, como utilizar vestimentas adequadas com cores neutras para evitar o calor; calçar tênis confortáveis e seguros; não retirar plantas, frutos, sementes e animais da floresta; e não usar perfumes e desodorantes com odores fortes para não atrair insetos e nem irritar abelhas.

O trajeto percorrido é dividido em trilhas e escolhido pelo grau de dificuldade, de acordo com a faixa etária dos estudantes. Durante o passeio, é possível observar mais de 650 espécies de borboletas que vivem na região e centenas de outros insetos, aracnídeos, anfíbios e répteis.

Por lá há centenas de aves e mamíferos, como falcões, juritis, tizius, gambás, tatus, morcegos, onças-pardas, jaguatiricas e gatos-do-mato. Também existem mais de 300 espécies de árvores, algumas em extinção.

A Serra do Japi é um laboratório natural para estudos e pesquisas tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo. A floresta foi incluída como zona de proteção máxima das Áreas de Proteção Ambiental, mas, ainda assim, sofre com desmatamentos, caça e ocupação desordenada do solo.

Para agendar as visitas, acesse o site do projeto “Nossa Serra” e siga as instruções.

SAIBA MAIS
Antes da chegada dos colonizadores portugueses e espanhóis na América do Sul, a Mata Atlântica cobria uma área de 1.315.460 km² dividida entre o Brasil, Paraguai e Argentina. De lá para cá, a floresta tropical foi explorada e devastada, restando apenas 10% de sua cobertura original. Quem mais soube preservá-la foi a Argentina: no país dos hermanos ainda há 45% de Mata Atlântica Nativa. Aqui no Brasil, restaram apenas 7% e a maior parte da floresta se encontra na Serra do Mar, na região litorânea de São Paulo.

Tags:

Busca em Cursos Encerrados